RESENHA: MIASTHENIA - Antípodas (2017)
27/06/2018 - 20h54 em Resenhas

 

 

MIASTHENIA - Antípodas

Label: Mutilation Records - Clique aqui para acessar o site da gravadora 

 

 

HISTÓRICO

Banda originária da cidade de Brasília, a MIASTHENIA teve seu início na segunda metade dos anos 90. Responsável por alguns dos maiores clássicos do Metal Extremo nacional, como "XVI" (2000), "Batalha Ritual" (2004) ou "Legados do Inframundo" (2014), teve seu último trabalho, "Antípodas" (2017), lançado pela Mutilation Records.

 

ANÁLISE

Um dos problemas que acometem as bandas com certo tempo de estrada é a capacidade de produzir grandes álbuns com o decorrer do tempo. Como é natural do ser humano, o processo criativo geralmente decai à medida em que as grandes ideias são utilizadas.

Não é o caso da brasiliense MIASTHENIA, que acaba de lançar "Antípodas", seu quinto  álbum e já credenciado como mais um clássico em sua discografia. 

Estou a exatos trinta minutos ouvindo o álbum e não consigo ainda passar da segunda faixa. "Novus Orbis Profanum" é, sem dúvidas, uma das maiores (e mais inspiradas) composições já feitas por Hécate (vocais / teclados), Thormianakk (guitarras) e V. Digger (bateria). Um dos mais harmoniosos teclados do Metal Extremo nacional forma a aliança perfeita com uma das mais belas guitarras que já ouvi. E olha que nem mencionei outros dois grandes momentos desta faixa: os vocais de Hécate (sem dúvidas um dos melhores vocais de nosso underground) e também as batidas tribais de V. Digger, remetendo exatamente ao clima proposto pela banda.

Estas características, aliás, não se prendem a esta faixa. A banda despeja criatividade em "Coniupuyaras", "Antípodas" (talvez o grande destaque do disco. Já nasceu clássica - o coro feminino deu um destaque a mais), "Ossário" (e seu belo duelo entre  guitarra e bateria) e também a instigante "Bestiários Humanos" (com seu início climático culminando em uma das mais ferozes canções da banda). Um primor! 

 

DESTAQUES

Impossível não creditar como destaques a excelente produção de "Antípodas", à cargo de Caio Duarte (e também da banda) no já renomado BroadBand Studio. Talvez este seja o trabalho da MIASTHENIA com a melhor produção até hoje (e olha que pelo menos os dois últimos trabalhos também possuem uma grande produção).

Outro ponto de destaque é a parte visual deste álbum. Marcio Menezes (Blasphemator Art - desenhos) e Fabrício Rodrigues (coloração) não criaram apenas o layout de "Antípodas", mas sim todo um conceito. Com certeza o melhor trabalho visual do trio de Brasília. Aproveite a versão lançada em LP e desfrute, a cada centímetro, a beleza deste trabalho.

A cada novo álbum, somos convidados a esta imersão de resistência histórica promovida pela MIASTHENIA. Com "Antípodas", a história não foi diferente. 

 

VEREDITO FINAL

Alguns discos demoram certo tempo para chegar perto da alcunha de clássicos. "Antípodas" quebra esse paradigma.

Letras que figuram facilmente entre as melhores que o metal extremo já produziu, instrumental inspiradíssimo e vocais poderosos fazem desta obra item obrigatório.

Não só o Digipack como também o LP lançado em versão limitadíssima.

 

Nota de rodapé: não deixe de conferir os dois vídeos originados de "Antípodas": "Coniupuyaras", um vídeo espetacular que retrata muito bem a história por trás dessa faixa (e do álbum, como um todo) e também o "lyric vídeo" de "Antípodas". Complementos de uma obra que já nasce clássica. 

 

(Daniel Aghehost)

 

 

 

Track-List

 

1.Ymaguare

2.Novus Orbis Profanum

3.Coniupuyaras

4.Antípodas

5.Ossário

6.1542

7.Araka'e

8.Bestiários Humanos

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!